drama / romance

Amores de Chumbo

“Esse passado é um eterno presente”.

Amores de Chumbo trata de um triângulo amoroso, questionando o limite de cada um diante de segredos e paixões interrompidas. Quarenta anos separam Maria Eugênia, escritora pernambucana radicada na França, do casal Miguel e Lúcia que acabam de comemorar união de quatro décadas. O retorno de Maria Eugênia suscita dúvidas e desconfianças há muito tempo guardadas. Miguel, professor de Sociologia e ex-preso político, deseja encarar a verdade e Lúcia, parceira de vida que se dedicou a tirá-lo da prisão, quer fugir dela. É pelo ponto-de-vista desses três personagens centrais que revivemos a história política e social da época do chumbo; uma história que mudou o rumo de muitas vidas.

Visão da diretora

“Interesso-me pelo humano em seu sentido maior que reside na du- alidade. Essa paisagem fascinante preenchida por seres, de diver- sas idades e diferentes fases da vida, frequentemente errando e tentando acertar. Como seguir adiante com nossos desejos, nossas bandeiras, nossas fragilidades e perdas que transitam na memória? Não há tempo que acomode o peso de cair em si. Maê, Miguel e Lúcia trazem fragmentos da história do Brasil em suas vidas. Per- sonagens que habitam um lugar onde amar é um verbo político.”

O Funcultura – Fundo de Cultura de Pernambuco, através de edital público, incentivou, em 2008, o desenvolvimento da primeira versão do roteiro de Amores de Chumbo. Inspirada por reais histórias reais de amores vividos nesse período, a diretora e roteirista escreveu a primeira versão da ficção. Após alguns anos e a evolução do projeto, o argumento mudou de tal maneira que foi necessário reiniciar o processo de desenvolvimento. Estabeleceu-se a parceria entre a Plano 9 e a Garimpo, produtora de Tuca Siqueira. Em 2013, o Edital do Funcultura contempla o projeto com o fomento para a fase de produção do Amores de Chumbo e a roteirista Renata Mizrahi é incorporada à equipe do filme. No ano seguinte, o filme é selecionado pelo edital de desenvolvimento do FSA – Fundo Setorial do Audiovisual – PRODAV 5 (Ancine/Brde).

O filme conta com a consultoria de roteiro de Miguel Machalski e, ainda em 2014, é selecionado para o BrLab, laboratório de desenvolvimentos de projetos da América Latina, realizado em São Paulo/ Brasil; em 2015, foi convidado para o Cinéma en Développement do Festival Cinélatino, em Toulouse/França.